domingo, 6 de outubro de 2019

Há dias de sol, dias iluminados,onde a brisa fresca nos acaricia.

Mensagem psicografada no AK em 02.10.19

Há dias de sol, dias iluminados, onde a brisa fresca nos acarinha os cabelos e o Astro Rei nos supre com sua energia magistral. Nesses dias os pássaros cantam mais, as flores desabrocham e o verde fica mais Verde.
As crianças brincam para fora de casa, correm, chamam os amigos.
Os animais interagem com a natureza e sentimo-nos felizes; o mundo está colorido. Mas há dias que são cinzas, quase sem luz. Nuvens densas não deixam passar os raios de sol. Neles não deixamos as crianças brincar para fora, pois tememos as tempestades que podem chegar sem tempo para chegarem a um abrigo.
Os pássaros preferem o conforto e a segurança do ninho e não saem para cantar. O vento espalha lixo, a sujeira escondida nos quintais; e elas, então discretas, tornam-se públicas e visíveis. Esses dias custam a passar; as horas se arrastam e nos sentimos melancólicos. Apesar de desgastantes, os dias cinzas não duram para sempre e logo o sol volta a brilhar.
Aí os passarinhos saem para cantar e colher material para os possíveis estragos que o vento causou no ninho. As crianças abrem as portas; correm em gritaria gozando humildemente da Liberdade.
As pessoas abrem as janelas para que entre o sol e então começam a avaliar os danos da tempestade. Recolhem o lixo, verificam a viabilidade de consertar possíveis avarias; separam, entre tudo o que se expôs, o que é descartável e o que merece reparo. Por que após as tempestades sempre há o que restaurar e o que deixar ir de vez.
E os dias voltam a ser lindos novamente, ao menos até a próxima tempestade.
Penso que somente sabemos dar valor ao sol por que conhecemos as nuvens densas. Experimentando as sucessivas tempestades, aprendemos a resguardar o q
ue nos importa e ficamos atento aos sinais de que é necessário vigilância. Aí não ficamos tão desprevenidos para que ela não nos pegue com o varal cheio de roupas e, ou com nossos filhos nas ruas.
Penso eu que assim acontece na vida. As tempestades, os momentos dos mais ousados vendavais internos no servem certamente para dar o valor a momentos de calmaria. Assim como nos prepara e nos tranquiliza para os próximos turbilhões que certamente virão.
Devemos encarar os momentos difíceis como apenas mais um dia Cinzento, que logo dá lugar ao calor do sol e a Brisa refrescante.
Só não podemos deixar de aproveitar as delícias dos momentos ensolarados, temendo a chegada da tempestade.
Quem tem a consciência tranquila e a mente segura nos propósitos divinos sabe que esse é só mais um desafio. Logo as nuvens se esvaem e o sol volta a brilhar.