segunda-feira, 15 de abril de 2019

e nós não fizemos o suficiente, mesmo que essa suficiente fosse o mínimo, o que ficou também ficará com esse sentimento: será que fiz o suficiente? E o suficiente sempre será muito pouco ao nosso ver. Somos todos responsáveis pelas nossas atitudes.




Nossa vida é um sopro mesmo que vivido 80 ou 100 anos, nós somos eternos e a eternidade nos faz seres perfeitos E perfeito seremos quando conseguirmos viver o amor na sua plenitude. 
Vivam, vivam com amor, vivam bem. 



Quando deixamos o plano material recordamos toda a nossa existência e somos recebidos por amigos e parentes com tanto amor, um amor que nos é difícil explicar e tudo em nós se ilumina. Há, há sim sofrimento, O sofrimento do arrependimento de ter feito pouco, de ter vivido pouco, não ter aprendido mais sobre a vida.

Mas há também a gratidão. Ha também um bom sentimento do que foi vivido, dos momentos que nunca esquecemos e que vivemos guardado e sorvendo a cada alegria, Cada emoção.

A vida é belíssima quando vivida com responsabilidade e com amor, amor pela natureza, amor por Deus, amor pelos amigos e familiares. Dizer: arrependimento existe? Sim. Sempre existirá a da parte de quem sai e da parte de quem fica. Pois se nós não fizemos o suficiente, mesmo que essa suficiente fosse o mínimo, o que ficou também ficará com esse sentimento: será que fiz o suficiente? E o suficiente sempre será muito pouco ao nosso ver. Somos todos responsáveis pelas nossas atitudes.

Então mesmo que pouco ou muito, o mais importante é fazer com amor, é fazer valer a pena cada dia, cada minuto.

Nossa vida é um sopro mesmo que vivido 80 ou 100 anos, nós somos eternos e a eternidade nos faz seres perfeitos E perfeito seremos quando conseguirmos viver o amor na sua plenitude.

Vivam, vivam com amor, vivam bem.

Um abraço.

Elizabeth

Nenhum comentário:

Postar um comentário