quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

O amor, o bálsamo para tudo


Buscamos o alívio para sentimentos embutidos em nossas questões existenciais e descobrimos no amor, o bálsamo para tudo. Com os sentimentos de outrora temos agora segmentos de tantas amarguras que deixamos, mas que às vezes incessantemente vem a tona com todas as fragilidades adquiridas durante as manifestações da nossa mente.
Seria de duvidar se certas sentimentalidades que nos envolve fossem banalizadas na insensatez imediata, mas deveríamos dar-nos a oportunidade de aprendizado sem tantos alardes clamorosos, pois com isso afastaríamos da nossa essência viva, que clama ajustes e acertos no caminho do bem.
Seguimos com o que pudermos levar, mas não é necessário ficarmos na inércia do pensamento abstrato das coisas a realizar.
Treinamentos peculiares nos ajudaria ir ao encontro do nosso Ser, que muitas vezes fica embutido na dor do pensar e sentir-se desvalido.
Na iminência de ser revelado perante si, traria dores, mas ajustes necessários para nossa caminhada no bom no belo.
São tantas as tentativas que poderíamos preferir  analisar o que seria mais propensa ao nosso crescimento pessoal, é o que nos fará ser a diferença entre tantos outros, que por razões ainda pertinentes a eles não conseguem revelar- se perante si. Não almejamos a velocidade que ainda não nos é concedido, mas sim a caminhada de acordo com que cada um consegue, um passo de cada vez e realizará as obras na imensidão do sentir.
Sentir-se apaixonado nas diversidades de ideias e realidades pessoais condizente a cada um. Ser de amor que ama e agradece a oportunidade de interagir nas afeições amorosas do existir.
                     Charles

Psicografia 08/10/18 Allan Kardec.